Super Aplicativos – O que é um Super App?

Super Aplicativos

Super Aplicativos  – Apps, o que seria de nós sem eles? Não muito, é isso. Eles são as ferramentas para maximizar as funções de nossos dispositivos, mas em algum ponto, existem muitos aplicativos.

E daí se você pudesse ter um aplicativo que faça o trabalho de dez? Um único aplicativo que permite que você faça quase tudo, de pedir carona a compras de supermercado e transferências de dinheiro com facilidade. Bem, você pode. Esses aplicativos com tudo incluído são chamados de “super aplicativos”.

Neste artigo, verificaremos os verdadeiros recursos desses aplicativos e os requisitos para que os aplicativos existentes se qualifiquem como super aplicativos.

O que são os Super Aplicativos?

Para resumir, aqui está uma dica. Um herói faz coisas incríveis e nobres. Um “super-herói” faz tudo isso, mas provavelmente voa e pode derreter metal também. É o mesmo para super aplicativos. Eles são aplicativos com superpoderes. Agora vamos entrar nos detalhes técnicos.

Um super aplicativo é um aplicativo móvel que fornece uma variedade de serviços aparentemente não relacionados por meio de uma única interface móvel.

Em vez de ter vários aplicativos para serviços diferentes, um super aplicativo visa fornecer aos usuários acesso a vários serviços em um único local.

Por exemplo, em um aplicativo, os usuários podem bater um papo, fazer compras, solicitar viagens, solicitar um empréstimo bancário e fazer uma variedade de outras coisas.

Os superaplicativos são convenientes e economizam aos usuários o armazenamento que, de outra forma, teriam que usar para aplicativos individuais.

O termo “super app” surgiu graças a Mike Lazaridis, fundador da Research in Motion (RIM), a empresa que desenvolveu e fabricou dispositivos Blackberry.

Em 2010, ele os definiu como “um ecossistema fechado de muitos aplicativos que as pessoas usariam todos os dias porque oferecem uma experiência perfeita, integrada, contextualizada e eficiente”.

Aplicativos como esses são frequentemente criados por empresas que oferecem mais de um produto ou serviço. Normalmente, eles começam com uma única função básica e, gradualmente, acumulam soluções e serviços adjacentes de sua comunidade de aplicativos.

Tencent, o enorme conglomerado de tecnologia chinês, transformou seu aplicativo WeChat em um super aplicativo.

O que começou como um aplicativo de mensagens se transformou em um ecossistema de serviços, incluindo viagens de táxi, carteiras virtuais, reservas de hotel, consultas médicas e muito mais. Outros exemplos de superaplicativos são Alipay, Grab e Gojek.

O que é necessário para estar entre os Super Aplicativos?

Então, o que é o superpoder de um super app? Na verdade, isso é meio difícil de especificar. Assim como não podemos exigir que todos os super-heróis voem, não podemos definir super aplicativos por um determinado conjunto de funcionalidades.

É mais fácil dizer o que os super aplicativos têm em comum. Eles agregam serviços que, de outra forma, você precisaria de uma comunidade de vários aplicativos para realizar.

E esse é o ponto de venda. Afinal, por que manter todas essas senhas separadas e alternar entre uma biblioteca de aplicativos (que deve ser constantemente atualizada) para encontrar aquele que faz uma tarefa específica quando você pode ter um aplicativo que faça tudo?

É exatamente isso que está levando as grandes corporações a projetar aplicativos completos: a oportunidade de construir uma base maior de consumidores e, consequentemente, permitir a eles uma fatia maior das carteiras dos usuários em potencial.

De modo geral, para que um aplicativo seja considerado um super aplicativo, ele deve oferecer a maioria dos seguintes serviços:

1. Plataforma Social

Um super aplicativo deve ter uma plataforma de mensagens para bater papo, compartilhar e interagir com outros usuários. Esse recurso ajuda a construir uma comunidade em torno do aplicativo.

2. Serviços de comércio eletrônico

A maioria das compras modernas é feita online, portanto, um serviço de e-commerce próspero é um recurso obrigatório de qualquer super aplicativo.

Os super aplicativos incluem um mercado móvel onde os usuários podem não apenas comprar, mas também vender bens e serviços.

3. Serviços de transporte

Ir de um local para outro, especialmente em grandes cidades, normalmente envolve o uso de serviços de carona. Os superaplicativos devem incluir serviços de saudação, bicicleta e compartilhamento de carros, que fornecem aos usuários outro recurso útil.

4. Serviços Financeiros

De transferências online a pagamentos financeiros, um recurso bancário é essencial para um super app. Além disso, os super aplicativos devem incluir serviços financeiros integrados que permitam aos usuários pagar por todos os serviços disponíveis sem sair do aplicativo.

5. Entrega de comida

A comida é uma necessidade e os super aplicativos devem incluir a entrega de refeições e a funcionalidade de compras online.

6. Pagamento de contas e serviços públicos

Outro recurso que aprofunda o engajamento em super aplicativos é a capacidade de pagar todas as suas contas em um só lugar.

7. Serviços de saúde e seguros

Os usuários podem acessar facilmente recursos de saúde e seguro em super aplicativos, incluindo serviços de saúde como telessaúde e tirar dúvidas com uma enfermeira.

Além disso, como os super aplicativos analisam constantemente os dados do usuário em massa, eles também devem sugerir opções de cobertura de seguro ideais.

Por que o Facebook não está entre os super aplicativos?

Claro, é razoável imaginar por que o Facebook ainda não atingiu o “status de super app”. O gigante da mídia social é a empresa ocidental mais próxima que possui as ferramentas necessárias para criar um super aplicativo, mas ainda não o fez.

Isso se deve a três fatores principais.

1. A lacuna financeira

Você deve ter notado que uma característica importante que todos os superaplicativos têm em comum é que todos fornecem serviços financeiros, o que o Facebook não oferece.

Isso ocorre porque, em contraste com a China e o Sudeste Asiático, os governos ocidentais têm regulamentações de serviços financeiros bastante rígidos.

Os obstáculos legais que a empresa teria de superar para oferecer recursos financeiros em suas plataformas seriam enormes. O Facebook deve incluir serviços financeiros como um recurso central em seu aplicativo para alcançar o status de super aplicativo.

2. Regulamentos de privacidade

As empresas que possuem super aplicativos coletam uma grande quantidade de dados pessoais do usuário para adaptar os serviços aos usuários.

Os países ocidentais impõem restrições rigorosas sobre a quantidade de dados do consumidor que as empresas podem acessar.

Essas restrições limitarão a capacidade do Facebook de coletar dados relevantes sobre os usuários para atender às suas necessidades.

O Facebook está constantemente sob escrutínio por suas políticas de privacidade e violações de dados, então não é exatamente o melhor candidato para o super-app-poster do Ocidente.

3. Integrações de terceiros

A disposição dos super aplicativos de aceitar integrações de terceiros contribui para o aumento de seus recursos. Desenvolvedores terceirizados, por exemplo, podem criar miniaplicativos que são adicionados ao ecossistema do WeChat.

O Facebook é extremamente hostil às integrações de terceiros em qualquer um de seus aplicativos, limitando os tipos de serviços que podem ser fornecidos.

O serviço de vídeo do Facebook foi criado sem informações do YouTube, assim como o serviço de encontros foi criado sem informações do Tinder. Embora essa abordagem funcione para o Facebook, é uma limitação ao seguir a rota do super app.

O futuro é dos super aplicativos

Os super aplicativos são o próximo degrau na escada evolutiva dos aplicativos móveis. A empresa ocidental que finalmente conseguir o equilíbrio certo e criar um super aplicativo funcional terá um grande retorno.

Embora ainda haja preocupações com a privacidade e a formação de monopólios, os benefícios de serviços personalizados para os usuários são significativos.