Folclore Brasileiro

Folclore Brasileiro

O que é o folclore brasileiro?

O folclore brasileiro é um coletivo de lendas, contos populares e tradições orais do Brasil. Embora os primeiros contos do folclore brasileiro datem de antes da descoberta do país em 1500, ele só foi formalmente estudado em meados do século XIX.

Como a maioria dos mitos e lendas, o folclore brasileiro reflete vários aspectos da história e da cultura do país. Assim, muitos mitos têm raízes em lendas europeias, mitologias africanas e várias mitologias indígenas brasileiras (incluindo, mas não se limitando à mitologia tupi-guarani ).

Na verdade, muitas entidades folclóricas brasileiras começaram como deuses ou seres das mitologias indígenas que se transformaram em contos diferentes ao longo do tempo, absorvendo múltiplas influências.

Outras histórias são contos de velhas esposas e lendas urbanas . Lembre-se de que muitas dessas lendas têm diversas variações regionais, portanto, nem sempre espere uma única narrativa coerente.

Para uma criatura lendária do folclore sul-americano não brasileiro, consulte Carbuncle Creature . Veja também Chupacabra para uma lenda de origem mexicana, popular na maior parte da América Latina, incluindo o Brasil.

A lista abaixo não está completa e está aberta a contribuições dos internautas.

Folclore sobre o Saci-Pererê

Lenda do Saci-Pererê : Menino negro com uma perna só, boné vermelho e cachimbo. O Saci é facilmente o ser mais icônico do folclore brasileiro.

Ele é conhecido por jogar (na maioria) truques e partidas inofensivas, como assustar viajantes noturnos imitando o som de animais selvagens, perturbar cozinheiros ao trocar o conteúdo de potes de sal e açúcar e soltar animais de fazenda, entre muitos outros.

O Saci é frequentemente retratado como sendo capaz de se mover montado em um redemoinho de poeira.

Também é dito que seu boné vermelho é a fonte de seus poderes e que quem roubá-lo poderá controlar o Saci para cumprir suas ordens … pelo menos até que ele o tenha de volta.

De acordo com algumas versões, o Saci deve ser atraído com fubá (um tipo de farinha de milho) e capturado na garrafa. Enquanto outros afirmam que ele não pode atravessar a água corrente .

Folclore brasileiro sobre a lenda do Anhangá

Lenda do Anhangá : Significando “Alma Antiga”, os Anhangá no folclore brasileiro possuem duas lendas totalmente diferentes sobre eles: Em uma, eles são espíritos da floresta que protegem os animais dos caçadores, muitas vezes assumindo a forma de veados brancos fantasmagóricos com olhos vermelhos.

Outras lendas os descrevem como espíritos mutantes do mal que torturam os vivos e evitam que os mortos cheguem ao outro mundo. A versão maligna dos Anhangá às vezes é considerada serva de Jurupari, o Deus Tupi-Guarani do Mal.

A discrepância entre esses dois mitos pode ter sido causada simplesmente por várias tribos com crenças diferentes, mas também pode ter sido causada por tradução incorreta, onde, de acordo com algumas fontes, os espíritos assustadores eram na verdade chamados de “Angas”, que significa almas (referindo-se a Fantasmas Vingativos ) em oposição aos Espíritos da Natureza chamados Anhangás.

Folclore brasileiro sobre a lenda da Besta-fera

Lenda da Besta-fera: traduzido como besta bestial, a Besta-fera é um cavalo com torso humano no folclore brasileiro, que se acredita ser o próprio Diabo, que deixa o Inferno durante as noites de lua cheia para marcar as pessoas com sua marca, o que as condena ao Inferno.

Algumas lendas dizem que em vez de marcar as pessoas, sua visão as faz enlouquecer, mas apenas por alguns dias.

Diz-se também que perambula por áreas florestais em busca de uma flor vermelha ensanguentada e que, ao encontrá-la, desaparece.

Folclore brasileiro sobre a lenda do Boitatá

Lenda do Boitatá : uma cobra gigante em chamas , que protege os campos dos caçadores que iniciariam incêndios.

A lenda do Boitatá no folclore brasileiro, é inspirada no fenômeno Will-o’-the-Wisp, muito parecido com o Hitodama Light.

No estado de Santa Catarina, ele é descrito como um touro de um olho, provavelmente porque a palavra ‘boi’, que significa cobra em tupi-guarani, também significa touro em português.

Folclore brasileiro sobre lenda da Boiuna

Lenda da Boiuna : No folclore brasileiro, significa ‘cobra negra’ ou ‘cobra gigante’. Também chamada de ‘mãe do rio’ ou ‘senhora das águas’.

Segundo lendas da floresta amazônica, a Boiúna é uma cobra gigante capaz de afundar barcos, além de assumir a forma de barco para atrair náufragos ao fundo do rio. Também pode assumir a forma de uma bela mulher humana.

Às vezes, ele é considerado o pai de Cobra Norato e Maria Caninana.

Folclore sobre a lenda do Boto cor-de-rosa

Lenda do Boto cor-de-rosa : De acordo com as lendas do norte do Brasil, o boto do rio Amazonas conhecido no Brasil como Boto rosa, se transforma em um homem bonito durante as festividades do solstício de verão, sempre bem vestido e usando um chapéu para esconder o buraco na cabeça .

O Boto é conhecido por seduzir mulheres solteiras, levando-as para o fundo do rio, e às vezes engravidando.

A lenda provavelmente foi criada para justificar a gravidez de mães solteiras, na época em que tal coisa seria desaprovada.

Lenda da Cabeça-de-cuia : Na mitologia dos índios da região Nordeste do Brasil, a Cabeça-de-Cuia é a guardiã dos rios Parnaíba e Poty, sendo amiga de quem respeita os rios, mas perigosa para aqueles que iriam contaminá-lo.

Uma versão alternativa pós-colonial de sua história de origem conta que um jovem chamado Crispim matou acidentalmente sua mãe durante uma discussão acalorada.

Antes de morrer, sua mãe o amaldiçoa, transformando-o em um monstro com uma cabeça enorme. Crispim é então amaldiçoado a passar metade do ano em cada um dos dois rios.

Segundo a lenda, ele só será livre depois de devorar sete donzelas chamadas Maria.

Outras versões dizem que ele ataca as mulheres porque acredita / espera que sejam sua mãe que voltou para perdoá-lo.

Folclore brasileiro sobre a lenda da cabeça satânica

Lenda da Cabeça Satânica: Uma cabeça flutuante e sem corpo sai para vagar a noite em busca de vítimas, e às vezes invadir casas tarde da noite.

Pessoas tocadas por ele adoecem e morrem rapidamente. Às vezes, a cabeça satânica aparece com o corpo inteiro, até que a vítima se aproxime, então seu corpo derrete.

Segundo o folclore brasileiro, pode ser evitado com uma cruz feita com a palha do Domingo de Ramos.

Folclore sobre o Caipora e Curupira

Lenda do Caipora e Curupira : Esses dois seres derivados da mitologia Tupi-Guarani compartilham algumas semelhanças: Ambos são crianças / baixinhos que protegem a selva de caçadores que desrespeitam as regras da caça justa, e que ambos governam todos os animais. Além disso, afirma-se que ambos aceitam ofertas de fumo como forma de apaziguá-los.

No folclore brasileiro, o Caipora pode ser representado tanto como macho quanto fêmea, sempre cavalgando um caititu e carregando uma lança.

O Curupira, por sua vez, é sempre macho, tem cabelos ruivos flamejantes e tem os pés para trás, confundindo qualquer um que tentasse rastrear suas pegadas (muitas vezes levando-os a armadilhas).

Por causa de sua origem semelhante e papel semelhante como protetores da natureza, os dois frequentemente aparecem juntos na mídia, e às vezes são confundidos, com características típicas de um sendo dado ao outro.

Folclore sobre a lenda do Capelobo

Lenda do Capelobo : No folclore brasileiro, é um homem com cabeça de tamanduá – bandeira , pés redondos de cavalo e corpo humano coberto de pelos. Diz-se que pode ser encontrada perto de selvas e regiões fluviais tarde da noite.

Este monstro se alimenta de cães e gatos, mas também ataca caçadores, alimentando-se de seu sangue e, em algumas versões, cérebros. Só pode ser morto com um tiro no umbigo.

Folclore sobre a lenda da Cobra Norato e Maria Caninana

Lenda da Cobra Norato e Maria Caninana: Uma lenda do norte onde um Boto ou Boiúna (veja acima) engravida uma mulher nativa, que então carrega cobras gêmeas: Honorato, também chamada de Cobra Norato, e Maria Caninana.

No folclore brasileiro, as duas cobras foram deixadas no rio Tocantins, onde cresceram. Norato era bom: ele salvou pessoas de afogamento e ajudou pescadores em perigo.

Maria Caninana foi bem o contrário, ela agrediu gente, matou peixes e afogou barcos. Depois de uma longa luta, Norato matou sua irmã malvada.

Norato queria se tornar humano , mas para isso, ele precisaria de alguém para colocar três gotas de leite materno em sua boca e acariciar sua cabeça com ferro enquanto ele dormia.

O problema é que a maioria das pessoas tinha medo de Norato. Até que um dia, a cobra conheceu e fez amizade com um soldado, que completou o ritual. Norato se tornou um homem, queimou sua pele de cobra e viveu o resto de seus dias entre os humanos.

Folclore sobre a lenda da Comadre Fulozinha

Lenda Comadre Fulozinha : Segundo o folclore brasileiro, é o espírito de uma jovem com longos cabelos escuros cobrindo todo o corpo.

Ela vive nas florestas e protege a natureza daqueles que a contaminam. Fulozinha é conhecida por ter uma personalidade caprichosa, e por aceitar oferendas de aveia, bala, fumo e mel.

Quando satisfeita, ela ajuda as pessoas a encontrarem caças e permite que elas saiam da floresta com vida. Diz-se que seu assobio soa mais baixo quanto mais perto ela está, confundindo assim suas vítimas.

Ela também pode usar seu cabelo para cortar aqueles que invadem as florestas sem fazer oferendas adequadas.

Existem várias versões de sua história de origem, mas em todas elas ela costumava ser uma mulher humana que se tornou uma entidade sobrenatural.

A versão mais comum diz que ela se perdeu na floresta quando criança e morreu enquanto procurava seu caminho de volta e, desde então, ela assombra a selva.

Folclore sobre a lenda do Corpo Seco

Lenda do Corpo Seco : Um homem tão mau durante a sua vida que nem Deus nem o Diabo o levaram e até a terra o rejeitou.

Um dia ele sai de seu túmulo, seu corpo seco e magro, mas nunca em decomposição, com cabelos compridos e unhas.

O Corpo Seco está condenado a vagar e assombrar os vivos sempre que a noite cai. Durante o dia, eles se escondem dentro de cavernas e os transeuntes às vezes podem ouvir seus gritos de gelar os ossos.

Folclore sobre a lenda do Cumacanga / Curaganga

Lenda do Cumacanga / Curaganca : Conta o folclore brasileiro qu uma cabeça flutuante com cabelo ígneo, que atravessa o ar como um globo de fogo.

Dependendo da versão, o Cumacanga ou Curacanga é uma mulher que se envolve romanticamente com um padre, filha de seu amor proibido, ou a sétima filha feminina de qualquer família.

Durante as sextas-feiras à noite, seus corpos permanecem em casa, enquanto suas cabeças saem de casa, flutuando e pegando fogo, para assustar as pessoas.

Para descobrir a identidade de uma Cumacanga, deve-se oferecer a ela uma agulha não utilizada ao encontrá-la à noite.

No dia seguinte ela retornará, em sua forma humana, para devolver a agulha, revelando assim sua identidade.

Folclore sobre a lenda da Cuca

Lenda da Cuca : A Cuca é uma variação brasileira da lenda do Coco ou Coca da Península Ibérica. Ela é conhecida como uma bruxa que sequestra crianças e é retratada como uma velha bruxa, às vezes com uma cabeça de crocodilo e garras de falcão em seus dedos.

Segundo o folclore brasileiro, a Cuca tem a idade do próprio tempo: a cada 1000 anos nasce um novo Cuca de um ovo. Em seguida, o velho Cuca vira um pássaro canoro conhecido pelo som melancólico, enquanto o novo passa a cometer maldades.

A Cuca está fortemente associada à mente, medos, sonhos e pesadelos. É também tema da popular canção de embalar “Nana neném que a Cuca vem pegar, papai foi para a roça, mamãe foi trabalhar”.

A Cuca foi popularizada pelo livro “O Saci” de Monteiro Lobato, de 1921 . A versão com cabeça de crocodilo foi usada no livro e sua popularidade a tornou a representação mais reconhecível do monstro, de longe.

Folclore sobre a lenda do Guaraná

Lenda do Guaraná : Guaraná é uma fruta da Amazônia. É usado para fazer uma bebida popular no Brasil, mas há uma lenda sobre sua origem.

Um casal de índios muito gentis desejava ter um filho, então pediram a Tupã que os abençoasse com pelo menos um filho.

Sabendo que o casal era muito gentil, Tupã deu-lhes um filho. O tempo passou e o menino tornou-se bonito, gentil e generoso.

Mas Jurupari , o deus das trevas, odiou o rapaz e decidiu matá-lo. À noite, ele se transformou em uma cobra e mordeu o jovem, matando-o.

Tupã, então, instruiu o casal a plantar os olhos do filho no solo, e dela brotou uma planta com um fruto em forma de olho humano.

Folclore sobre a lenda da Iara

Lenda de Iara : Iara, ou Yara , que significa senhora das águas, é uma bela metade mulher, metade peixe, cabelo comprido, às vezes verde , decorado com flores vermelhas .

Ela é conhecida por morar no rio Amazonas, onde atrai os homens com sua beleza, levando-os para o fundo do rio. Mas ela também é considerada uma guardiã dos rios.

Em certo sentido, Iara pode ser considerado uma versão feminina do o Boto rosa.

A lenda mais conhecida sobre suas origens conta que Iara era uma mulher nativa e uma guerreira incomparável. Seus dois irmãos ficaram com ciúmes de suas habilidades e a emboscaram para tentar matá-la. Iara se defendeu e matou os dois.

Seu pai, louco de raiva, puniu-a jogando-a na confluência dos rios Negro e Solimões, deixando-a afogar-se. Mas ela foi salva por peixes locais (ou pela deusa Tupi da lua Jaci ), e assumiu sua forma atual.

Folclore sobre a lenda do Lobisomem

Lenda do Lobisomem : O Lobisomem é basicamente um lobisomem português (e a palavra Lobisomem é, de fato, usada como a tradução da palavra inglesa ‘lobisomem’ em português). No entanto, as lendas brasileiras diferem um pouco das histórias europeias usuais.

Diz-se que a sétima criança do mesmo sexo consecutiva se tornaria um Lobisomem. Ou um menino nascido depois de sete filhas, ou o oitavo filho de um casal, independentemente do sexo.

Em vez de se transformar durante a lua cheia, o Lobisomem muda durante uma sexta-feira, meia-noite, em uma encruzilhada. Em seguida, ele se propõe a matar animais e pessoas para se alimentar. Antes do amanhecer, ele volta à mesma encruzilhada para retornar à forma humana.

Lenda da Loira do Banheiro : A lenda da Loira partiu da história real de Maria Augusta de Oliveira Borges, falecida em 1891 aos 26 anos de idade.

Seu atestado de óbito desapareceu, deixando a Causa Mortis desconhecida . Dez anos após sua morte, uma escola pública foi construída onde antes ficava sua casa (onde seus restos mortais haviam sido enterrados).

Naturalmente, rumores sobre o espírito da jovem perambulando pelos corredores da escola, e especialmente pelos banheiros, se espalharam rapidamente.

A lenda ganhou força depois que um incêndio, cuja causa nunca foi descoberta, queimou parte do prédio. Após o incidente, a história se espalhou por várias escolas de todo o Brasil, ganhando elementos da lenda do Bloody Mary.

Diz-se que para invocar o fantasma é preciso chamá-lo três vezes na frente de um espelho, ou dizer palavrões, ou bater a porta do banheiro, ou uma combinação dos anteriores.

Ela é descrita como uma jovem loira vestida de branco, com pedaços de algodão dobrados no nariz, orelhas e boca.

Folclore sobre a lenda da Mãe do Ouro

Lenda da Mãe do Ouro: Uma linda mulher, vestida com um vestido branco que reflete a luz do sol. Ela se transforma em uma bola de fogo e voa pelo ar. Sua presença indica minas de ouro nas proximidades.

Se alguém conquistar o favor da mulher, ela o levará a minas de ouro e tesouros escondidos, com a condição de que não revele a localização do lugar a ninguém. Se essa pessoa quebrar a promessa, a Mãe do Ouro faz a caverna desabar sobre eles.

Mani : Uma lenda indígena que explica as origens da mandioca: Há muito tempo, a filha de um cacique engravidou repentinamente.

O chefe queria punir o homem responsável por aquela desonra, por isso aplicou várias formas de punição à menina para forçá-la a revelar a identidade do pai.

Mas a garota permaneceu firme em sua afirmação de que não tinha relações com nenhum homem. Nove meses se passaram e uma linda menina nasceu.

A menina, chamada Mani, caminhava e falava precocemente. Depois de um ano, a menina morreu de repente, sem ter ficado doente.

Ela foi enterrada dentro de sua própria casa e algum tempo depois, uma planta brotou de seu túmulo. Essa planta se chamava Manioca ( nota de  Mani + Oca ), base de uma das palavras portuguesas modernas para mandioca: Mandioca.

Folclore sobre a lenda do Mapinguari

Lendo do Mapinguari : Um criptídeo que vive na selva amazônica. O Mapinguari é descrito como tendo características de uma preguiça terrestre e um tamanduá, além de um pelo vermelho brilhante.

Em vez disso, às vezes é descrito como um humanóide gigante coberto de pêlo com um único olho e uma boca na barriga , que ataca e devora aqueles que vagam pela floresta sozinhos.

Folclore sobre a lenda da Mula sem-cabeça

Lenda da Mula sem-cabeça : Se uma mulher se envolve romanticamente com um sacerdote, ela é transformada em uma mula sem cabeça, imediatamente ou após sua morte.

O animal tem uma chama saindo do buraco em seu pescoço e vagueia pelo campo assombrando quem encontrar.

Todas as noites, a mula sem cabeça tem que percorrer sete paróquias. Sua maldição só é suspensa se alguém conseguir remover sua tacha ou tirar seu sangue com uma agulha, o que a transforma em mulher.

Folclore sobre a lenda do Palhaço do Coqueiro

Lenda do Palhaço do Coqueiro: Era uma vez, houve um palhaço chamado Coco (que significa ‘coco’ em Português). No circo, ele não conseguia fazer ninguém sorrir, então enlouqueceu e fugiu.

Durante os dias de lua minguante, ele sobe em um coqueiro para ver a lua “sorrindo” para ele. Mas quando a lua está coberta por nuvens, o palhaço desce ao chão para ver outros sorrisos: os de gente.

Assim, ao encontrar uma pessoa, ele tentará fazê-la rir e, caso a pessoa não lhe dê pelo menos um sorriso, ela a punirá, às vezes com a morte. E ele continua fazendo isso até que a lua não esteja mais escondida.

Folclore brasileiro sobre a lenda Papa-figo

Lenda do Papa-figo (Comedor de Fígado) nota : O Papa-figo se parece com uma pessoa normal (embora às vezes seja retratado com garras e presas afiadas). Ele caça crianças que contam mentiras, drena o sangue e comem o fígado.

Ele faz isso porque sofre de uma doença rara (frequentemente considerada lepra ou doença de Chagas) e acredita que o sangue e o fígado de uma criança podem curá-lo. Essa lenda nasceu no início do século XX, quando essas doenças ceifaram várias vidas no Brasil.

Folclore sobre a lenda Pisadeira

Lenda da Pisadeira : Mulher que pisa no estômago das pessoas durante a noite, causando falta de ar. Esta lenda provavelmente se baseia no fenômeno da paralisia do sono.

A Pisadeira é normalmente descrita como uma mulher muito magra, desgrenhada, com dedos longos e finos e unhas muito compridas.

Seus olhos estão vermelhos de fogo e sua risada é de gelar os ossos. Ela anda pelos telhados à procura de pessoas que foram dormir de estômago cheio, para poder pisar nelas.

Folclore sobre a lenda Romãozinho

Lenda do Romãozinho : Segundo o folclore brasileiro, Romãozinho era filho de fazendeiro: Mau desde o nascimento , adora machucar animais e destruir plantas.

Um dia, farto de seus pais, ele engana seu pai fazendo-o acreditar que sua mãe o estava traindo com outro homem. Louco de raiva, o pai mata a esposa.

Nos seus últimos momentos, ela vê Romãozinho sorrindo e entende que ele está por trás do ocorrido. Então ela o amaldiçoa a não conhecer o Céu ou o Inferno, ou a não ter nenhum descanso enquanto houver um único ser vivo na Terra.

Romãozinho riu da maldição e foi embora. A partir deste dia, ele vagueia pela terra, nunca envelhecendo: ele prega peças, machuca animais e causa todos os tipos de travessuras que pode. Mas dizem que, em raras ocasiões, ele pode ajudar alguém.

Folclore brasileiro sobre a lenda do Teiniaguá

Lenda do Teiniaguá : Teiniaguá é uma lendária princesa moura que fugiu da Europa para o sul do Brasil e foi amaldiçoada por um demoníaco Anhangá, transformando-se em lagartixa ou salamandra com um rubi na testa. Ela está destinada a morar em uma lagoa da cratera do Jarau (por isso também é chamada de “Salamanca do Jarau”).

Um dia, o sacristão de um vilarejo próximo vai até a lagoa e, por acaso, encontra a princesa. Ele a aprisiona em um chifre de touro e retorna para a igreja.

À noite, quando ele abre a trompa, a princesa volta a ser mulher e pede que ele lhe dê vinho, então ele lhe dá o vinho da igreja.

Todas as noites acontecia a mesma coisa, então os padres começaram a suspeitar. Uma noite entraram no quarto do sacristão: A princesa assustada virou lagartixa e fugiu para o Uruguai, enquanto o sacristão era preso e condenado à morte.

No dia de sua execução, a princesa voltou e o salvou usando magia, e neste momento houve um grande barulho e uma grande fogueira, que desabou no local onde se encontravam, deixando o casal preso em uma caverna.

Eles só escapariam quando alguém completasse as sete provas. Terminadas as provas, seria concedido ao vencedor um desejo, que mais tarde desistiria.

Um dia, duzentos anos depois, um homem completa as provas, mas não deseja nada. Quando ia sair, o sacristão deu-lhe uma moeda de ouro, que o homem aceitou.

Alguns dias se passaram, e o homem soube que seu amigo estava vendendo seu gado, então ele decidiu comprar um touro com a moeda, mas quando ele pegou a moeda, ela se multiplicou em um número infinito e ele acabou comprando o lote inteiro.

Quando a notícia do fato se espalhou, espalharam-se rumores de que o homem havia feito um Acordo com o Diabo e ninguém queria fazer negócios com ele. Desejando voltar à sua antiga vida, o homem voltou à caverna e devolveu a moeda mágica ao sacristão.

Assim, a maldição foi quebrada e o casal saiu da caverna. Eles se casaram e viveram felizes para sempre, e dizem que introduziram a descendência ibérico-ameríndia ao povo do sul.

Folclore brasileiro sobre a lenda Tutu Murambá

Lenda do Tutu Murambá : Segundo o folclore brasileiro, Tutu Murambá é um personagem que aparece em canções de ninar para assustar as crianças e fazê -las dormir.

Ele é descrito como uma criatura parecida com ogro forte, peluda e feia que devora crianças que não vão dormir. Em algumas regiões, ele é descrito como tendo traços de um caititu.

Lenda da Vitória-Régia ( Nenúfar da Amazônia ): Conta-se que a deusa da lua Jaci ocasionalmente escolhia suas mulheres favoritas entre as jovens de uma tribo e as transformava em estrelas.

Uma jovem chamada Naiá estava particularmente obcecada em conhecer Jaci e vagou pelas montanhas durante a noite sem nunca encontrar a deusa da lua. Ela não comia nem bebia nada e, com o tempo, emagreceu.

Um dia, quando ela parou perto de um lago, ela viu a lua refletida na água. Cega pelo sonho, ela se jogou na água e se afogou. Comovida com seu sacrifício, Jaci decidiu transformá-la em uma estrela diferente de qualquer outra no céu. E assim Naiá se tornou uma “estrela d’água”: uma planta cujas pétalas brancas só se abrem à noite.