Uma imagem vale mais que mil palavras. E uma imagem 3D vale quanto?

Imagem principal: 
Lado esquerdo do cérebro feito na impressora 3D.

 

O FabLab Casa da Memória completou 1 ano neste mês de Novembro e, no decorrer destes meses, nos deparamos várias vezes com um mesmo tema: acessibilidade.

Já tivemos no FabLab do Centro Cultural São Paulo uma experiência com uma turma de surdos, com o auxílio de uma intérprete, sobre modelagem e impressão 3D, mas muitas pessoas que passaram aqui na Casa da Memória nos levaram a pensar em um outro lado… o das pessoas com deficiência visual.

Ter alguém que descreva para você aquilo que ela vê pode ajudar, mas com certeza não é o mesmo que ver por si mesmo, ou neste caso, enxergar por si mesmo, enxergar com o próprio corpo. Então quanto vale uma imagem 3D?

Ao nosso redor já existem diversas imagens e objetos táteis, para orientação de pedestres por exemplo, mas podemos (e precisamos) ir muito além. Mesmo aos que enxergam com os olhos: não seria muito mais interessante não apenas ficar tentando criar mentalmente um objeto que nos está sendo descrito ou apresentado em uma imagem de representação, mas poder ver e tocar?

 

 

Algumas vezes já passaram por aqui professores/instrutores/voluntários (tanto de escolas formais quanto de escolas especiais), percebendo inúmeras possibilidades de construção, principalmente utilizando a impressão 3D. Tudo isso nos leva ao próximo passo/projeto para 2017: PROJETO SENSORIAL!

 

 

Por enquanto, para ter uma ideia do que podemos criar neste processo, vale a pena conferir os outros projetos que já passaram pelos FabLabs, como Togo Toy, e Os utensílios acessíveis de Amélia.

 

Se identificou com o projeto? 

 

FabLab Livre SP - Casa da Memória

Rua António Carlos de Oliveira Cesar, 97, Centro de Itaquera / SP

próximo ao Núcleo de Práticas Jurídicas da UNICASTELO