Arduino Day São Paulo 2017 no Fab Lab Livre SP

Imagem principal: 
Oficina de Arduino Franzininho em Cidade Tiradentes

Desde a manhã, os laboratórios estiveram muito ativos com os cursos cheios de alunos interessados, fabricando e programando suas próprias placas de arduino, em todas as 12 unidades.

 

No Centro Cultural São Paulo, além das atividades do fab lab, os coletivos convidados começaram já de manhã as atividades, num ritmo intenso de oficinas mantidas até a noite, com muita estrutura e energia trazida pelos makers, que foram essenciais para envolver o público do evento.

 

As palestras também estiveram cheias desde a abertura às 14h, com o espaço Adoniran Barbosa lotado e milhares de visualizações pela transmissão ao vivo em nossa página do facebook.

 

As falas de abertura do Secretário Municipal de Inovação e Tecnologia Daniel Annenberg, do Coordenador geral da CCCD João Fabiano Martucci e da Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social Soninha Francine abordaram a necessidade de ampliar a frequência e alcance do projeto do Fab Lab Livre SP entre a população, especialmente entre a população em situação de vulnerabilidade, tomando o evento como exemplo de alcance que a rede pública pode alcançar em articulação a mais coletivos e projetos.

 

Este sucesso de frequência no evento e do cumprimento de sua finalidade é reflexo da forte estrutura da Rede Pública de Laboratórios de Fabricação Digital e da organização do evento que a Secretaria de Inovação e Tecnologia preparou em parceria com o ITS Brasil e os coletivos Embarcados, Fazedores e MinasUp.

 

O aporte para o evento mostrou realmente como a tecnologia pode ser utilizada para a inclusão: com os softwares livres e projetos colaborativos, com espaços abertos para experimentação, compartilhamento do conhecimento e para debate e construção das políticas públicas de inovação e tecnologia; enfim, com o envolvimento de milhares de pessoas em um dia de atividades que apresentam perspectivas de trabalho e projetos inovadores, estimulando o pensamento sobre a melhoria de nossa cidade e do cotidiano da população - cada vez mais ativa neste processo.

 

Estas perspectivas apontam o potencial que têm novas propostas de eventos, combinando o envolvimento cada vez maior da população ao crescimento do movimento maker de São Paulo e o papel deste movimento na proposição sobre os rumos da cidade em interação entre os coletivos makers e a rede pública Fab Lab Livre SP.

 

A visão da Secretaria de Inovação e Tecnologia e gestores do projeto vem ao encontro destas perspectivas, preocupando-se em aumentar o uso e reconhecimento dos laboratórios, dando continuidade e expandindo o projeto atual. Então, é hora de pôr as mãos na massa e seguir em frente com a efetivação destas perspectivas!